QUAL O TAMANHO DOS SEUS SONHOS ?

homem vinicolaSempre me perguntam sobre o tipo de vinho que deveriam beber, ou que já bebem, mas não tem certeza se é bom.

Antes de responder essa pergunta, permitam-me contar como comecei a beber vinho. Um dia, por volta dos 25 anos de idade (hoje tenho 44), voltei do supermercado com uma garrafa de vinho tinto na sacola, que havia custado 17 reais.

Era um vinho bem básico, simples, mas que conseguiu preencher exatamente a minha necessidade naquele momento. Naquela época, eu não estava preocupado em determinar se aquele vinho era de cor violácea ou rubi, se as lágrimas eram numerosas ou escassas e, muito menos, se os taninos estavam aveludados ou se a adstringência me incomodava.

Naquela noite, eu estava feliz com um vinho simples. E isso bastava para mim. O mais interessante é que, atualmente, muitos anos depois, muitas garrafas bebidas e muita leitura, continua sendo uma boa opção.

Claro que já tomei algumas preciosidades, vinhos caros, garrafas assinadas e até com dedicatória de enólogo famoso. Nesses casos, procuro saborear cada gole, curtir cada reflexo da cor na luz da vela e guardar na memória, uma a uma, todas as nuances de aroma. E não se preocupe em automatizar isso, quando fazemos algo por amor, esse processo flui naturalmente.

videira antigaPor outro lado, já tomei também muitos vinhos simples, de vinícolas pequenas e de lugares improváveis. Aí vem a melhor parte : eu consegui aproveitar isso também, ao entender as características de cada vinho e a mensagem que determinado produtor tentou passar. Um produtor, que cuida de suas videiras, como se fossem da família. E, de certo modo, são mesmo. Isso, muitas vezes, é tudo que ele possui.

Esse, na minha opinião, é o grande fascínio do Mundo do Vinho ! Cada garrafa vem carregada de muita história, trabalho e dedicação. E quem sou eu para julgar um produtor ? Para julgar uma pessoa ? Para dizer se, uma filosofia de vida, está correta ou não ?

Eu sei, muitos dirão, que sou um romântico e existem vinhos ruins. Mas eu gosto de acreditar que, cada produtor, fez o melhor trabalho que poderia. Que cada família dedicou-se a entregar seus valores, de gerações, para que pudéssemos compartilhar suas alegrias e tristezas. E eu respeito isso, sim senhor, respeito demais !

Lembre-se que todo o processo começa com o viticultor, que cultivou, no campo, uvas e valores, parreiras e amores, fugiu da chuva para abrigar a turva uva que, diluída, não embriagou os sentidos, na parte de cá do saca rolhas…

Pense no tempo que o enólogo passou estudando cada variedade, como determinada uva comporta-se na videira, como a vinificação altera o sabor do vinho e como ele poderia tocar o coração do paladar, sedento por novas sensações, sentidos e por perder-se na suave e persistente malemolência da alma inquieta.

mulher pisando uvasDepois de saber tudo isso, você teria coragem de não respeitar cada garrafa, cada rolha, cada rótulo que estiver na sua mesa ? Eu não me sinto confortável em fazer isso.

Não poderia tomar somente Cabernet Sauvignon, mais potente e encorpada e deixar de lado a Pinot Noir, de cor mais tênue, mas de elegância ímpar. Como é prazeroso perceber a gigantesca diferença da mesma variedade de uva, plantada em países diferentes, ou mesmo em regiões próximas de um mesmo vinhedo.

São detalhes, ínfimos para nós, mas que determinam a vida de inabaláveis produtores, que alimentam incansáveis enólogos em suas, incomensuráveis jornadas, para saciar nossos ilimitados sonhos.

E é exatamente por isso, que todos os vinhos que bebo são maravilhosos ! Porque os sonhos e aspirações das pessoas sempre serão maravilhosos. As angústias e esperanças sempre serão importantes. Os valores pessoais e familiares devem ser respeitados, como se fossem seus. Muita gente trabalhou tempo demais para abrirmos aquele vinho naquele momento específico. O mínimo que podemos fazer, por eles, é entender a mensagem contida atrás daquela rolha e agradecer que, essas pessoas, estejam compartilhando suas mais profundas intimidades (as de suas almas) conosco.

Cada garrafa de vinho contém verdades. Talvez a minha verdade seja diferente da sua. Talvez a lágrima da minha taça não seja de alegria, mas é minha. Talvez os valores do viticultor sejam diferentes do seu, talvez nem percebamos a peculiaridade das personalidades dessas uvas, que insistem em permanecer na boca, como retro olfato.

eu taçaUma das coisas que mais amo fazer é estudar sobre vinho. Como eu disse, faço isso porque AMO ! Só você pode determinar quanto, e se quer se aprofundar no assunto. Ninguém pode dizer onde você quer, ou pode chegar. O espírito sempre será livre para poder não sair do lugar, se esse for seu desejo.

E é da boca da alma que conversamos com nossos sonhos, nossas sensações e nossa paz. Paz essa que insiste em agitar até o coração do mais rabugento dos homens. Quando chega esse dia, de confrontarmos a vida que escolhemos e a que tivemos, os sonhos que sonhamos e os que deixamos de lado, perceberemos quão pequenos somos como seres humanos fragrantes, mas quão grandes sempre serão nossas conquistas.

 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s