DERRAMADO

IMG_1073O que te separa da sua taça ?

O que só você percebe ?

Qual a sensação que te assusta e impede a sua harmonização ? 

O seu vinho não reclama, mas também não cede.

Não flutua, mas também não gira sozinho.

Não aceita, mas toma tudo que você não tem. 

Tenha medo de não ter medo.

Perca a esperança, quando sua solidão não puder ser egoísta.

Mas não adianta fugir de si próprio, mesmo que seu mundo seja um beco sem saída.

Não é a taça que te separa do vinho que te pertence, é você. 

Talvez seja essa a parte mais difícil : fazer o que não pode ser feito, quando não deve ser feito e antes que o desconhecido faça. 

E quando, as lágrimas da sua quase fé, estiverem correndo feito pernas apressadas, o buquê evoluído parecerá de plástico inerte.

Recolher o vinho derramado é possível sim, desde que o cálice não tenha deixado um pedaço no chão.

Nesse caso, nem a Videira chorará por ti.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s